Artigos

Junte-se a milhares de tecladistas inteligentes e receba atualizações,
artigos e aulas exclusivas para levar sua musicalidade a um alto nível

Descubra os mistérios do Campo Harmônico nessa excitante aventura com Jack Sparrow

Campo Harmônico

Fala tecladista! Aqui é o Ramon Tessmann para mais uma excitante aventura nas terras do Campo Harmônico!

Nesta página você se deparará com um artigo único, que desvendará de uma vez por todas os mistérios e segredos em torno do assunto Campo Harmônico.

Aqui tem tudo o que você precisa saber para dominar o assunto e elevar incrivelmente seus conhecimentos musicais.

Não vou esconder nada. Tô pronto para abrir o baú do tesouro. 🙂

Será uma longa jornada em alto mar, porém divertida e interessante. Você não se arrependerá ao chegar ao final da leitura (são e salvo, espero!). Desejo que você curta muito a viagem.

Aviso: antes de partirmos quero recomendar fortemente que você continue os estudos com o curso Piano Prime, que ensina você a tocar de forma tão fascinante que deixará as pessoas ao seu redor emocionadas. Clique aqui para ver uma demonstração.

Tudo pronto?

Então, levantar âncora e içar as velas!

#1 Por que estudar Campo Harmônico?

Por que estudar campo harmônico?

Logo no início da aventura eu preciso te contar um segredinho. E é este segredo específico que pode responder a dúvida de muitos viajantes, quem sabe a sua também:

“Ramon, por que estudar Campo Harmônico?”

Preste atenção em alguns fortes motivos para você estudar Campo Harmônico:

  • É um dos assuntos mais importantes (e necessários) da teoria musical.
  • Facilita na composição de músicas e arranjos.
  • Ajuda você a se localizar na música e compreendê-la.
  • É fundamental na identificação da tonalidade.
  • Mostra quais acordes podem ser usados e evitados.
  • Ajuda quem precisa tirar uma música de ouvido.
  • E muito mais!

Ao final deste artigo você entenderá melhor a importância de se estudar Campo Harmônico.

É um tesouro que você precisa descobrir!

#2 O que é Campo Harmônico?

2.1 A família Campo Harmônico

Já que você topou viajar comigo seria interessante nos conhecermos melhor. Eu acabei de te contar um segredinho, mas agora preciso te perguntar:

  • Como é a sua família?
  • Você tem irmãos? Quantos?
  • Tem primos? Quantos?
  • A sua família é unida ou não?

Eu sinceramente espero que você tenha uma família feliz. Posso dizer que nesse sentido eu sou um felizardo. Minha família é uma das mais abençoadas que eu já conheci.

Sério, eu não mudaria nadinha de nada nela…

Mas, por que estou falando de família?

Simplesmente, porque vai ser mais fácil para você compreender o conceito de Campo Harmônico. Os membros de uma família possuem o mesmo DNA, compartilhando as mesmas informações genéticas (nem sei se estou usando os termos científicos corretos, mas você captou a ideia).

Isso quer dizer que essas pessoas estão ligadas geneticamente, ou seja, elas têm algo em comum. Essa “ligação de sangue” faz com que elas pertençam à mesma família.

De um certo modo, essa é a mesma explicação que eu poderia usar para que você entenda com clareza o que é Campo Harmônico.

Campo Harmônico nada mais é do que uma linda família em que impera a paz e a harmonia (entendeu o trocadilho?).

O Campo Harmônico é composto por vários membros que têm uma profunda ligação entre si. Esta ligação não é uma ligação por sangue, mas sim uma ligação por notas. As notas musicais em comum são como o DNA da família.

E eu nem preciso dizer o quando a família Campo Harmônico é unida. É uma das famílias mais “harmônicas” que eu conheço… se é que você me entende rsrsrs

“Ok, Ramon… já entendi que o Campo Harmônico é uma família. E agora?”

Agora você precisa conhecer os 4 principais membros desta família.

2.2 Os 4 irmãos

Imagine quatro irmãos, chamados João, José, Josimar e Jacinto. Cada um destes quatro irmãos tem igualmente sete filhos.

Coincidência da vida? Inveja? Não sei. Só sei que na música é assim: sete filhos para cada pai!

“Como assim, Ramon?”

O Campo Harmônico é um conjunto de acordes que são formados a partir de determinada escala. Nós temos quatro escalas que são pilares:

Estas quatro escalas são os quatro irmãos João, José, Josimar e Jacinto. Se cada um destes irmãos tem sete filhos, cada uma das escalas estruturais terão sete acordes, que comporão seus respectivos Campos Harmônicos.

Então, teríamos quatro Campos Harmônicos como base:

  • Campo Harmônico Maior.
  • Campo Harmônico Menor Natural.
  • Campo Harmônico Menor Harmônico.
  • Campo Harmônico Menor Melódico.

Podemos assim concluir que Campo Harmônico é o conjunto de acordes formados a partir de uma certa escala, sendo o mais conhecido deles o Campo Harmônico Maior.

Esta história do João, José, Josimar e Jacinto está dando pano pra manga, né? Mas não preocupe, acredito que você nunca mais se esquecerá deles (e dos quatro Campos Harmônicos). Essa é a ideia 🙂

Se ainda ficou confuso, vou tentar explicar através de uma outra abordagem.

2.3 Acordes “Tolerados”

Uma outra forma de enxergar o conceito de Campo Harmônico é olhando do ponto de vista dos “Acordes Tolerados”.

Dependendo da tonalidade de uma música, há certos acordes que são “permitidos” e outros que são “evitados”. Os “Acordes Tolerados” são aqueles que provavelmente compõem o Campo Harmônico daquela tonalidade.

Se você já toca algum instrumento, já deve ter percebido que quando a tonalidade é C (dó maior), alguns acordes são mais frequentes, como no exemplo abaixo, uma música que printei do Cifraclub:

 

Estes acordes que são mais frequentes são os “Acordes Permitidos”, ou seja, eles provavelmente fazem parte da “família de C”. Esta família nada mais é do que o Campo Harmônico de C.

Sem o conhecimento sobre Campo Harmônico seria muito difícil você saber quais são os acordes mais comuns de uma tonalidade. Resumindo: ficaria muito mais complexo você compreender harmonicamente as músicas.

Imagine você ter que lidar com milhares de acordes, sem saber qual é a relação entre eles?

Seria uma tarefa hercúlea. Mas para felicidade geral podemos conhecer os Campos Harmônicos na prática e é isso que veremos a seguir.

É agora que a viagem fica mais séria. Mas também, mais emocionante!

Prepare-se!

#3 Formação Campo Harmônico Maior: tríades

3.1 Escala: o ponto de partida

Antes de nos aproximarmos das terras do Campo Harmônico precisamos passar pelas notas e escalas. São elas que dão origem a cada um dos Campos Harmônicos.

Para facilitar a compreensão sobre harmonia definiu-se quais seriam as notas que pertenceriam a determinada tonalidade. Vamos chamar estas notas de “notas possíveis”. Tais notas comporiam o que conhecemos por escala diatônica.

As escalas são um outro tipo de família na teoria musical. É comum defini-las como conjunto, grupo ou sequência ordenada de tons.

Você provavelmente já conhece a Escala Maior de Dó. Não vamos estudar a construção de escalas hoje, mas para avançarmos segue a Escala de Dó:

dó – ré – mi – fá – sol – lá – si

“E agora, Ramon?”

É justamente em cima destas notas que vamos construir os acordes do Campo Harmônico Maior de C. As notas em comum (todas pertencentes à mesma escala diatônica) é o DNA dos acordes. É o que faz deles uma só família!

E se você estava ansioso por um pouco de ação chegou o momento. Nós vamos montar os Campos Harmônicos passo-a-passo para que você não fique com nenhuma dúvida.

Primeiramente, vamos trabalhar com as tríades e depois com as tétrades.

Pronto para a ação?

#3.2 Descobrindo as tríades

Essa primeira batalha será fácil. Não vai doer nenhum pouquinho, especialmente se você já domina os intervalos musicais.

Uma vez que você tenha a escala maior, fica fácil montar o acorde maior. O acorde é um grupo de três notas tocadas simultaneamente (por isso, o nome ‘tríade’).

Partindo da primeira nota, você deve pular 2 tons e depois 1 tom e meio. Vamos dar um exemplo montando o acorde de C Maior:

> 2 tons > mi > 1 tom e meio > sol

Acorde de C = dó – mi – sol

Eu não disse que seria fácil? Mas calma, lá frente vai complicar um pouquinho. Por isso estou indo devagar.

Uma observação: o que caracteriza o acorde ser maior ou menor é a sua terça. Se a terça for maior, o acorde é maior. Se a terça for menor, o acorde é menor.

Caso seja complicado demais para você compreender estude os intervalos musicais.

Agora chegou a hora de encontrarmos as outras tríades do Campo Harmônico de C.

3.3 Continuando na formação

Já sabemos que o Campo Harmônico é uma família de acordes que originam da escala. Também acabamos de ver como se forma a tríade básica de um acorde maior e menor. Sabendo disso, o próximo passo é encontrarmos cada acorde do Campo Harmônico de C.

Cada nota da Escala de Dó vai gerar uma tríade. Se temos sete notas na Escala Diatônica de Dó (dó, ré, mi, fá, sol, lá, si) então teremos sete tríades! São sete os acordes que farão parte da família de Dó.

Para cada nota, o acorde será formado usando-se o primeiro, terceiro e o quinto graus (contados a partir de cada nota da escala). Para facilitar a formação basta escrever a escala e ir pulando nota sim nota não, a partir de cada nota origem.

O primeiro acorde que temos é o próprio C. Veja em negrito:

– ré – mi – fá – sol – lá – si

O segundo acorde que temos é o Dm (Ré Menor). Veja na escala:

dó – – mi – – sol – – si

Apenas estou isolando os graus 1, 3 e 5 e identificando o tipo do acorde.

Simples assim!

3.4 Completando o Campo Harmônico de C

Usando a mesma lógica nós podemos agora identificar todos os acordes do Campo Harmônico de C Maior:

  • C – dó mi sol
  • Dm – ré fá lá
  • Em – mi sol si
  • F – fá lá dó
  • G – sol si ré
  • Am – lá dó mi
  • B˚ – si ré fá

Note que o sétimo acorde se trata de um acorde diminuto, ou seja, uma tríade diminuta, que tem a terça menor e a quinta diminuta. Dentro do estudo de harmonia musical este acorde é bem peculiar, mas você não precisa se preocupar com ele neste momento.

Apenas se preocupe em entender como chegamos a cada um dos acordes do Campo Harmônico de C.

Vamos visualizar agora uma tabela com todos os acordes do Campo Harmônico que construímos:

De uma certa maneira, estes acordes estão definindo a tonalidade da música. Provavelmente, você já deparou com alguém dizendo algo parecido com:

“Em que tonalidade vamos tocar essa música?”

Fazer esta pergunta é o mesmo que perguntar:

“Que família de acordes usaremos para executar essa música?”

Eu tenho que confessar a você que quando descobri o mundo dos Campos Harmônicos minha visão musical elevou drasticamente. E não estou falando apenas em descobrir o Campo Harmônico Maior, mas em estudar os outros três também.

Eu sei que até alguns leitores poderiam pensar: “Ah, isso tudo eu já sabia!”.

Provavelmente…

Mas é daqui pra frente que a coisa começa a subir de nível. Quando começamos a trabalhar com tétrades e posteriormente partirmos para os outros Campos Harmônicos é que a maioria dos músicos fica para trás.

Mas tenho certeza que não vai ser o seu caso. Você não vai desistir bem agora que vamos começar a abrir o baú do tesouro. Fique comigo até o final da jornada!

ESTÁ GOSTANDO DO ARTIGO? Se sim, aproveite para assinar nossa lista VIP porque assim você não perde nenhum conteúdo novo. Clique aqui para assinar agora. É rápido e grátis!

#4 Formação Campo Harmônico Maior: tétrades

4.1 Formação: tétrades

Vou começar abrindo o baú do tesouro dizendo que a formação das tétrades é muito parecida com a formação das tríades. Portanto, se você compreendeu bem os conceitos que vimos anteriormente já tem muito caminho andado.

Até aqui nós já montamos as sete tríades do Campo Harmônico de C. Para transformar estas tríades em tétrades basta adicionar mais um intervalo de terça após a última nota (quinta) de cada acorde. Lembrando que todas as notas precisam pertencer à escala diatônica.

Então, considere a tríade de dó:

dó – mi – sol

Se eu quiser estender o acorde, posso acrescentar a sua sétima maior, que é uma terça acima do sol. O acorde ficará assim:

dó – mi – sol – si

Este é o acorde Cmaj7, o Dó com Sétima Maior. No caso em questão, a nota si já faz parte da escala de dó, o que nem sempre acontece.

Por exemplo, vamos construir o segundo acorde do Campo Harmônico de C:

ré – fá – lá

Se formos acrescentar uma terça acima da última nota, que é lá, iríamos ter o dó#, que não faz parte da escala de dó. Para corrigir isso, nós simplesmente reduziremos meio tom dessa nota, trazendo-a para dó. Assim, “forçamos” todas as notas pertencerem à mesma família. Isso é imprescindível.

Lembra do João, José, Josimar e Jacinto? É necessário que todas as notas pertençam à mesma família, senão não é uma família de verdade 🙂

O segundo acorde do Campo Harmônico ficaria assim:

ré – fá – lá – (dó)

Este é o famoso Dm7, ou seja, o Ré Menor com Sétima.

Legal, não?

4.2 – O Campo Harmônico em tétrades

Compreendendo a regra você pode montar qualquer Campo Harmônico Maior em tétrades que desejar. Isso sem precisar depender de ninguém, contanto somente com os conhecimentos aprendidos nessa jornada.

Por ora, vamos nos concentrar na tonalidade de C. Veja como ficaria:

Agora é a sua vez de tentar formar o Campo Harmônico de outras tonalidades. Por exemplo, se você quisesse estudar a tonalidade de Eb (Mi Bemol Maior) o primeiro passo seria formar a escala:

mib fá sol láb sib dó ré

Começando pelo mib, vamos construir o acorde em terças. Vou negritar as notas para você visualizar melhor:

mibsol láb sib

Viu como é fácil quando você já sabe a escala maior?

O primeiro acorde do Campo Harmônico de Eb é o Ebmaj7, formado pelas notas mib, sol, sib e ré.

Acho que agora você já pode caminhar sozinho, montando os outros acordes da família de Eb.

4.3 – Diferença entre tríades e tétrades

Neste momento da nossa aventura preciso fazer uma rápida observação. Tenho que fazer isso porque alguns marinheiros de primeira viagem poderiam perguntar:

“Ramon, qual é a diferença entre as tríades e tétrades? Por que tivemos que montar o Campo Harmônico duas vezes?”

Eu mesmo me fazia estas perguntas no início da minha jornada. Basicamente, a resposta está na complexidade da sonoridade. As tríades são os acordes na sua forma mais básica, mais “pura”, vamos assim dizer.

Mas assim que você avança seus estudos e começa a aprender diversas músicas populares e nos mais diversos estilos musicais (Jazz, Rock, Blues, Samba entre outros), vai perceber que o uso das sétimas nos acordes torna-se comumente usado.

De fato, é comum que os compositores e arranjadores adicionem extensões aos acordes para torná-los mais rebuscados. As sétimas tornaram-se tão utilizadas que para muitos músicos elas já fazem parte da formação básica do acorde.

Mas tudo isso é assunto para aprofundarmos em uma outra viagem. O que você deve saber agora é que construir o Campo Harmônico em tétrades é apenas uma maneira mais rebuscada de você trabalhar a tonalidade.

Daqui para frente preciso do máximo de sua atenção. O mar pode ficar um pouco agitado. Nós vamos falar um pouquinho de harmonia funcional… mas bem pouquinho mesmo, para não assustar ninguém.

🙂

#5 Harmonia Funcional

“Socorro, Ramon! Por que você tá mudando de assunto? Não estávamos falando de Campo Harmônico?”

Calma! Tudo o que estou abordando neste artigo está conectado e é importante você compreender, mesmo que de forma básica, o conceito de Harmonia Funcional.

A Harmonia Funcional é o campo da teoria musical que trata das sensações e funções de cada acorde. Dentro da música tonal, cada acorde desempenha uma função e transmite uma determinada sensação para os ouvintes.

Assim, os acordes não estão lá cifrados na música por acaso. Cada acorde tem um porquê bem definido de estar lá. Não foi por sorteio… pode ter certeza disso.

Seria muito engraçado ouvir alguém dizer:

“Vou ali sortear os acordes da minha próxima canção”.

Mas não é assim que acontece.

Para você entender melhor, precisamos falar dos graus.

5.1 Os graus

Já vimos que cada uma das notas da escala vai nos gerar um acorde. E o resultado disso é a formação de sete acordes, que formam a família de determinada tonalidade.

Para começarmos a organizar o Campo Harmônico, cada acorde vai receber um número ordinal. Como ensina o site Norma Culta, os números ordinais indicam ordem, posição ou lugar ocupado em uma série.

A numeração deve ocorrer da forma mais óbvia possível. Começando do primeiro acorde do Campo Harmônico, vamos definir: primeiro grau, segundo grau, terceiro grau e assim por diante. Para indicar os acordes, usa-se numerais romanos.

Assim, chegamos à seguinte tabela do Campo Harmônico de C:

Dica: quando você quiser estudar determinada tonalidade é fundamental você memorizar os graus de cada acorde. Você vai precisar disso!

De fato, eu até recomendo que você pegue algumas músicas e transforme as cifras em graus para ir se acostumando. Por exemplo:

#5.2 – Funções tonais

Agora que já sabemos o que são os graus, vamos definir uma função tonal para cada um deles. Lembra que eu falei que cada acorde desempenha uma função dentro da tonalidade?

Chegou a hora de conhecermos estas funções. Vamos lá:

  • Grau I – Tônica
  • Grau II – Supertônica
  • Grau III – Mediante (antirelativa)
  • Grau IV – Subdominante
  • Grau V – Dominante
  • Grau VI – Superdominante (relativa)
  • Grau VII – Subtônica ou Sensível
    • Sensível – meio tom abaixo da tônica
    • Subtônica – um tom abaixo da tônica

“Ishi… agora tô me perdendo aqui, Ramon!”

Calma… calma. Quando me deparei a primeira vez com estes termos fiquei bem perdido (apavorado, pra falar a verdade). A verdade mesmo é que eu queria pular do navio no meio da viagem rsrsrs

Mas desistir não é uma opção…

Fique tranquilo que com o tempo você se acostuma com tudo isso. Não é necessário que você absorva todo este conteúdo de uma só vez. Você pode voltar aqui sempre que precisar.

Vamos falar agora das sensações que cada função transmite. Lembra que eu falei que a Harmonia Funcional também trata das sensações que cada acorde produzem no ouvinte?

Vamos conhecer cada uma dela a seguir:

  • Grau I – Tônica – sensação de repouso, de tranquilidade, de paz.
  • Grau IV – Subdominante – a subdominante transmite uma sensação de instabilidade média, de incerteza. É como se fosse uma tensão moderada em que você não está nem repousando, nem tensionando na força máxima. É como se você estivesse no meio do caminho, indo para algum lugar.
  • Grau V – Dominante – aqui nós temos a tensão em sua força máxima. A função Dominante representa conflito, guerra, força, limite, sobrecarga.

O acorde com a função Tônica nos dá a sensação de repouso e estabilidade. É a função que normalmente inicia e finaliza uma música, liberando a tensão dos acordes anteriores.

O acorde Subdominante é como se fosse o meio termo, um caminho para o repouso ou para a tensão máxima. É o acorde que abre inúmeras possibilidades na música.

A acorde Dominante dá a sensação de tensão máxima, de energia que precisa ser liberada. De um certo modo, ele cria alta expectativa para o próximo acorde, normalmente repousando na Tônica.

É por isso que comumente você não vê uma música terminando com um acorde Dominante, pois o repouso é como se fosse o objetivo final.

Compor uma canção ou arranjo é como contar uma história, só que através dos sons. Você pode usar as funções tonais para criar sensações de batalha, conflito e também de retorno ao lar, num calmo repouso.

Como este artigo não é sobre Harmonia Funcional especificamente, não vamos aprofundar o tema aqui. Prometo em breve escrever sobre isso aqui no Aprenda Piano.

Por ora, listarei abaixo um resumo das funções:

  • 1º grau – TÔNICA. Exerce essa função de forma muito marcante.
  • 2º grau – Subdominante. Exerce essa função de forma pouco marcante.
  • 3º grau – Tônica ou Subdominante, dependendo do contexto.
  • 4º grau – SUBDOMINANTE. Exerce sua função de forma muito marcante.
  • 5º grau – DOMINANTE. Exerce essa função de forma muito marcante.
  • 6º grau – Tônica. Exerce essa função de forma pouco marcante.
  • 7º grau – Dominante. Exerce essa função de forma pouco marcante.

Interessante, né?

Agora vamos em frente porque o mar vai ficar bem mais agitado.

Lembra do irmãos João, José, Josimar e Jacinto?

Até aqui só falamos da família do João (Campo Harmônico Maior). Chegou a hora de falarmos das outras três famílias.

São elas:

  • José – Campo Harmônico Menor Natural
  • Josimar – Campo Harmônico Menor Harmônico
  • Jacinto – Campo Harmônico Menor Melódico

Prevejo ondas colossais pela frente. Prepare-se!

Gostando do artigo? Aproveite para assinar nossa lista de emails porque assim você não perde nenhum conteúdo novo. Clique aqui para assinar agora. É rápido e grátis!

#6 Campo Harmônico Menor Natural

Finalmente, vamos começar a falar dos outros Campos Harmônicos. A partir deste ponto o baú do tesouro estará completamente aberto.

Vai ter de tudo: moedas de ouro, coroas, castiçais, diamantes e esmeraldas. Os três Campos Harmônicos que estudaremos a seguir são de uma riqueza sem explicação.

Vamos começar com o mais fácil deles: o Campo Harmônico Menor Natural.

6.1 Formação

Para formar o Campo Harmônico Menor Natural a lógica é a mesma do Campo Harmônico Maior. O que vai mudar é a escala de origem.

Se antes usávamos a Escala Maior, agora usaremos a Escala Menor Natural. O que é incrível aqui é que a Escala Maior e Menor Natural são relativas. Isso quer dizer que elas têm as mesmas notas, só o que muda é o ponto de partida.

O que você deve memorizar é que a Escala Menor parte do sexto grau da Escala Maior. Veja o sexto grau da Escala de Dó:

dó ré mi fá sol si dó

O sexto grau é o lá, que é de onde partiremos para construir a Escala Menor de Lá:

lá si dó ré mi fá sol lá

É exatamente as mesmas notas da Escala de Dó!

A partir daqui nós vamos usar a mesma lógica de construção do Campo Harmônico Maior com tétrades.

O primeiro acorde, será o Am7. Veja:

si misol

Acorde Am7 = lá – dó – mi – sol

Ao terminar de construir o Campo Harmônico Menor de Lá, você terá os seguintes acordes:

• 1º grau: Am7
• 2º grau: Bm(b5)/7
• 3º grau: Cmaj7
• 4º grau: Dm7
• 5º grau: Em7
• 6º grau: Fmaj7
• 7º grau: G7

6.2 Uma curiosidade

Ao fazermos uma análise sob a ótica da Harmonia Funcional vamos ver que o grau V do Campo Harmônico Menor é um acorde menor. No caso acima, o acorde é o Em7.

Isso significa que o Campo Harmônico Menor tem a área dominante enfraquecida, perdendo aquela tensão que temos no Campo Harmônico Maior. Sendo o acorde dominante um acorde menor, a tonalidade perde força na área dominante.

Assim temos:

Tônica (T): Im7 e bIIImaj7
Subdominante (S): IIm(b5), IVm7, bVImaj7 e bVII7

“E onde fica a Dominante, Ramon?”

A Escala Menor Natural não possui a Sensível, porque é desprovida do trítono. Em vez da nota sol# temos o sol, o que forma um acorde menor com sétima (m7).

Esse acorde é chamado de dominante menor, que terá uma função modal, em vez de função tonal. Assim, completamos as funções tonais com:

Dominante menor (D): Vm7 (função modal)

Interessante, né?

#7 Campo Harmônico Menor Harmônico

Agora chegou a hora de usarmos aquele sol# em vez do sol. Chegou a hora de termos uma boa dominante, cumprindo belamente sua função. Isso acontece no Campo Harmônico Menor Harmônico.

Como temos visto até o aqui, o Campo Harmônico é originado de uma determinada escala, dessa vez a Escala Menor Harmônica. Essa é a uma escala bem características e marcantes, uma das que eu mais gosto de tocar.

Vamos conhecê-la a seguir:

7.1 Formação

Para formarmos a Escala Menor Harmônica vamos relembrar a Escala Menor Natural e fazer apenas uma pequena alteração. Bem, a alteração no instrumento é pequena, mas a sonoridade faz toda uma diferença. Por quê?

Porque a Escala Menor Harmônica não tem o sétimo grau menor, e sim o sétimo grau maior. Assim, entre o sexto e sétimo grau temos uma distância de 1,5 tons.

Veja a escala completa:

lá si dó ré mi fá sol#

Agora, se for possível, vá ao instrumento musical e execute essa escala. Sinta a sonoridade do final da escala, prestando atenção nas três últimas notas. Dá aquele “climão” oriental ou egípcio não é mesmo?

Bem, agora você já sabe qual escala os compositores utilizam para criar esse “climão”. A Menor Harmônica é uma delas!

Mas beleza, a viagem de hoje não é para o mundo das escalas e sim para as longínquas terras do Campo Harmônico.

Então, sem delongas, vamos construir o Campo Harmônico Menor Harmônico:

1º grau: Am(maj7)
• 2º grau: Bm(b5)/7
• 3º grau: Cmaj7(#5)
• 4º grau: Dm7
• 5º grau: E7
• 6º grau: Fmaj7
• 7º grau: G#°

Tenho algumas observações interessantes para fazer sobre o Campo Harmônico Menor Harmônico.

A primeira delas é o retorno do acorde dominante em toda a sua força (E7). No Campo Harmônico Menor Natural havíamos perdido a força dessa área, mas agora voltamos com tudo.

Outra observação tem haver com o VII acorde. Temos aqui um novo membro da família, o acorde diminuto. É uma adição bem interessante à família Menor Harmônica.

“Socorro, Ramon… tá muito complicado!”

Calma, eu avisei que o mar ia ficar um pouco agitado. A boa notícia é que você está se deparando com verdadeiro tesouro aqui. E não tem problema se você não conseguir compreender tudo de uma vez só.

Você pode estudar e re-estudar esse artigo várias vezes e ir assimilando a matérias aos poucos. Fica a dica!

Dito isso, vamos ao nosso último Campo Harmônico dessa incrível jornada.

Preparado?

#8 Campo Harmônico Menor Melódico

8.1 Escala Menor Melódica

Vou começar esta seção indo direto ao ponto, explicando a Escala Menor Melódica. Anteriormente, eu expliquei sobre a distância de 1,5 tons entre o sexto e sétimo grau.

Obviamente, por ser um intervalo muito grande, definiu-se acrescentar uma nota intermediária para aproximar o sexto do sétimo grau, tornando a Escala Harmônica mais melódica.

Nasceu assim a Escala Menor Melódica, onde o sexto grau, em vez de ser menor, agora tornou-se maior. Se estivermos falando da tonalidade de Am, a mudança será na nota fá, que agora torna-se fá#.

Veja as duas escalas para perceber a diferença:

Escala Am Menor Harmônica: lá si dó ré mi sol# lá
Escala Am Menor Melódica: lá si dó ré mi fá# sol# lá

Quando alguém te perguntar o que é a Escala Menor Melódica? Não vale dizer:

“É a escala mais melódica!”

Não mesmo! Você precisa saber explicar o porquê. 🙂

Agora que já conhecemos a escala base do Campo Harmônico Menor Melódico, chegou a hora de construí-lo:

8.2 Formação

Já conhecemos a Escala Menor Melódica:

lá si dó ré mi fá# sol# lá

Usando a mesma lógica de sempre, o primeiro acorde será:

Am(maj7) = lá – dó – mi – sol#

O segundo acorde será:

Bm7 = si – ré – fá# – lá

E aqui está o Campo Harmônico Menor Melódico inteiro:

• 1º grau: Am(maj7)
• 2º grau: Bm7
• 3º grau: Cmaj7(#5)
• 4º grau: D7
• 5º grau: E7
• 6º grau: F#m7(b5)
• 7º grau: G#m7(b5)

Quero fazer algumas observações sobre esse Campo Harmônico:

  • Raras músicas são compostas na tonalidade menor melódica, por isso não é tão comum você ver esses acordes juntos na mesma música.
  • Interessante ver dois acordes dominantes e dois acordes meio-diminutos na mesma família.
  • Para quem quiser ver este Campo Harmônico na prática, procure escutar a música “Papel Machê” de João Bosco.

#9 Campo Harmônico: Resumo

Ufa… que jornada incrível!

Eu tô cansado para caramba! Cansado, mas extremamente feliz.

Foi uma aventura e tanto…

Agora é hora de voltarmos para a casa, trazendo todo o tesouro que descobrimos conosco.

Antes de iniciarmos o retorno, vamos revisar os principais pontos aprendidos hoje:

  • Campo Harmônico é um dos mais importantes assuntos a se estudar na Teoria Musical. Dominar esse conhecimento vai te dar uma visão muito mais ampliada de como a música funciona.
  • Campo Harmônico é uma família de acordes que compartilham o mesmo DNA, que são as notas em comum.
  • As quatro escalas (maior, menor, menor harmônica e menor melódica) originam quatro Campos Harmônicos. São as principais famílias que você precisa conhecer!
  • Construir o Campo Harmônico em tétrades é apenas uma maneira mais rebuscada de você trabalhar a tonalidade. Para muitos músicos, as sétimas já são partes integrantes do acorde por causa do uso comum nos diversos estilos musicais. Portanto, recomendo que você estude os Campo Harmônicos com tétrades diretamente.
  • Na Harmonia Funcional, temos o Grau I – Tônica (repouso), Grau IV – Subdominante (repouso parcial ou tensão parcial) e Grau V – Dominante (tensão).
  • O CH Maior é: Cmaj7 Dm7 Em7 Fmaj7 G7 Am7 Bm(b5)/7
  • O CH Menor Natural é: Am7 Bm(b5)/7 Cmaj7 Dm7 Em7 Fmaj7 G7
  • O CH Menor Harmônico é: Am(maj7) Bm(b5)/7 Cmaj7(#5) Dm7 E7 Fmaj7 G#°
  • O CH Menor Melódico é: Am(maj7) Bm7 Cmaj7(#5) D7 E7 F#m7(b5) G#m7(b5)

Antes de despedir, quero te fazer dois pedidos.

O primeiro deles é que você considere se matricular no Piano Prime, que vai ajudar você a entender melhor todos estes conceitos. É um curso online que ajuda você a embelezar suas execuções de uma maneira incrível. Clique aqui para ver o vídeo de demonstração.

O segundo pedido é que você envie este artigo para algum(a) amigo(a), porque ele(a) também poderá aprender o que você aprendeu!

No mais, se tiver dúvidas, deixe um comentário aqui embaixo e a gente vai se falando!

Um forte abraço,
Ramon Tessmann

Gostou desse conteúdo?

Participe da nossa lista VIP e receba conteúdos exclusivos via email. É grátis:

Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo

CONHEÇA NOSSOS CURSOS EM VÍDEO ONLINE:

Aguarde a Próxima Aula Extraordinária

Aguarde a Próxima Aula Extraordinária

Prepare-se para o lançamento de mais uma aula extraordinária do Aprenda Piano. Previsão de lançamento: final de Setembro!

Piano Prime – Técnicas Incríveis para Embelezar suas Execuções

Piano Prime – Técnicas Incríveis para Embelezar suas Execuções

Torne suas execuções inesquecíveis e emocionantes com técnicas que irão elevar rapidamente o seu nível musical

Piano Kids – Seu filho tocando piano em 30 dias

Piano Kids – Seu filho tocando piano em 30 dias

Diferente de qualquer outro curso no mundo inteiro, o Piano Kids vai ensinar música para seu filho de uma forma divertida e emocionante.

Aguarde a Próxima Aula Extraordinária

Aguarde a Próxima Aula Extraordinária

Prepare-se para o lançamento de mais uma aula extraordinária do Aprenda Piano. Previsão de lançamento: final de Setembro!

Método M30 – Realize o sonho de tocar sua 1ª música

Método M30 – Realize o sonho de tocar sua 1ª música

Aprenda a tocar sua 1ª música no piano ou teclado. O método M30 é a sua maior chance de aprender piano do zero